terça-feira, 6 de março de 2018

FITKinder - Passar o tempo ou preparar o futuro?

Por mais que os processos de desenvolvimento e crescimento possam ocorrer simultaneamente e apareçam muitas vezes associados, não quer dizer que seja processos biologicamente idênticos.

Bogin (1998), define crescimento como o conjunto de modificações quantitativas de tamanho ou de massa e desenvolvimento como o conjunto de alterações que conduzem um organismo, de forma progressiva, desde um estado indiferenciado ou imaturo até a um estado organizado, especializado ou maturo.
Todos os seres humanos apresentam um tempo de crescimento muito demorado, especialmente se considerarmos o tempo que passa desde o inicio da primeira infância e o inicio da aceleração de crescimento da adolescência. Esta “demora” permite a maturação cerebral e serve para potenciar a nossa sobrevivência através das aprendizagens cognitivas, emocionais e sociais. (Fragoso, 2010)

Os processos biológicos responsáveis pelas modificações, desde a concepção até à idade adulta são:
  • Hiperplasia – aumento do número de células, que ocorre em consequência da divisão celular
  • Hipertrofia – aumento do volume celular, que resulta no aumento das unidades funcionais das células (proteínas e outros substratos) tal como acontece nas células adiposas que aumentam por incorporação dos triglicéridos no seu citoplasma.
  •  Agregação- ou aumento da capacidade das substâncias intercelulares ligarem as células entre si e formarem um sistema de rede.


A fase de crescimento na qual o organismo se encontra determina o processo utilizado.
Os diferentes tecidos e órgãos não crescem em simultâneo porque o corpo faz a gestão das reservas de energia que dispõe para obter uma maior eficiência do processo de crescimento. Isto abre lugar a momentos de maior estabilidade no crescimento morfológico, dimensional e estabilidade proporcional, favorecendo a obtenção de novas aprendizagens. (Fragoso, 2010)


Basicamente, o que fazemos durante a vida é criar, perceber e adaptar estratégias de utilização de energia que nos permitam crescer (para cima ou para os lados) de modo eficiente.



O processo de crescimento mantém um trajecto normal e geneticamente estabelecido, o que é percetível se observarmos os gráficos de referência relativos ao crescimento infantil. Podemos distinguir 4 tipos de crescimento:
1.       Tipo linfoide
2.       Tipo neural
3.       Tipo genital
4.       Tipo geral


As representações gráficas do crescimento são feitas a partir de medidas absolutas e recorrendo a curvas de crescimento que podem ser de dois tipos: distância ou velocidade.




Assim, a curva de distância representa o produto do crescimento num determinado momento enquanto que a curva de velocidade representa o processo de crescimento, ou seja, os momentos de maior ou menor aceleração de crescimento.
É certo e sabido da existência de ritmos de crescimento diferentes e específicos para cada estrutura morfológica e a alternância entre os períodos de máxima velocidade de crescimento com períodos em que a velocidade é mínima permitem definir diferentes fases de crescimento. Estas fases são distinguidas pelas diferenças da morfologia externa e das capacidades funcionais.
O facto de enquanto equipa termos optado por dividir as turmas por escalões (ex: FITkinder, CrossKIDS) foi ponderado e teve em conta os períodos sensíveis de aprendizagens das diferentes habilidades motoras. Para que entendam melhor o trabalho que fazemos com os vossos filhos, utilizaremos um quadro de Fragoso e Vieira (2006) para resumir cada uma das fases de crescimento.


Tabela 1- Quadro resumo das fases de crescimento segundo Fragoso & Vieira


Fase intra uterina
Periodo Germinativo
Até às 4 semanas e corresponde ao período de formação dos três folhetos embrionários.
período embrionário
Organogénese e Morfogénese – Desde a 4ª à 8ª semana de desenvolvimento: os folhetos germinativos dão origem aos diferentes órgãos e tecidos e o embrião passa a apresentar forma humana.
Período fetal
Entre a 9ª semana e o nascimento: Crescimento e maturação dos tecidos anteriormente formados.

FASE PÓS-NATAL
1ª INFÂNCIA
(0-3 anos)
Período neonatal – primeiros 28 dias de vida: período de adaptação, ajustamento e aperfeiçoamento das funções fisiológicas e sensoriais às novas condições do envolvimento.
Até ao final do 2º ano de vida: crescimento e desenvolvimento rápido, os aumentos de massa corporal e estatura são respectivamente de 150-200% e 50%.
2ª infância
(3-8 A 12 ANOS)
Período de relativa estabilidade. O crescimento processa-se de uma forma lenta, não se verificando grandes alterações morfológicas.
2ª FASE DA 2ªiNFÂNCIA
3ª iNFÂNCIA PERIODO JUVENIL
Período de grande desaceleração de crescimento. Termina quando se dá inicio à última aceleração do crescimento.
Adolescência
(entre os 9 e 13 anos)
Aceleração e desaceleração intensa do crescimento esquelético. Alteração na composição corporal devido ao crescimento musculo-esquelético e às variações na quantidade e distribuição do tecido adiposo. Desenvolvimento dos sistemas circulatórios e respiratório. Aumento da força e resistência. Desenvolvimento das gónadas, órgãos reprodutores e das características sexuais secundárias. Combinação neuroendócrina que desencadeia e coordena as transformações pubertárias. Definição do tipo morfológico final.
idade adulta
Inicia-se no momento em que toda as estruturas morfológicas cessam o seu crescimento e desenvolvimento.

A nossa intervenção passa essencialmente pela segunda infância porque sabemos que é um excelente período para a aprendizagem. É neste período que as crianças atingem os padrões maturos de todas as habilidades motoras fundamentais. O crescimento está numa fase relativamente baixa e constante enquanto que o sistema nervoso está muito próximo do seu estado adulto. Isto permite à criança integrar o seu esquema corporal de forma consistente e duradoura e ao mesmo tempo aprender todas as habilidades motoras.
Nesta fase, o aumento relativo dos membros inferiores e das medidas transversais em conjunto com a diminuição relativa da gordura corporal e a sua redistribuição conferem à criança uma grande linearidade. Isto faz com que as crianças apresentem uma enorme predisposição à actividade física espontânea. (Fragoso, 2010)

Hoje em dia, face aos factores socioeconómicos e aos condicionamentos dos tempos livres, as crianças passam a maior parte dos seus tempos em actividade sedentárias. A organização temporal que nos dias de hoje é imposta às crianças, tem consequências irreparáveis e contribui para o aumento da obesidade e do estabelecimento de tipos morfológicos que contrariam as características normais desta fase de crescimento.





Além dos benefícios na performance académica (clica AQUI) ,só a participação regular em actividades físicas organizadas não garante por si só o adequado fortalecimento muscular dos jovens. Todos sem excepção devem reconhecer os benefícios potenciais do desenvolvimento da força e das habilidades motoras básicas nestas idades. 
Por fim, respondendo à pergunta: Estamos a preparar um futuro melhor para o/a seu filho/a!



PS: Num próximo post falaremos sobre os mitos e verdades inerentes ao treino de força em jovens.


Bibliografia

Bogin, B. (1998). Patterns of Human Growth. Cambridge: Cambridge University Press.

Fragoso, I. (2010). Talento. Lisboa: Faculdade Motricidade Humana.

Sem comentários:

Publicar um comentário