domingo, 1 de janeiro de 2017

A intensidade do treino afecta a vontade de comer...

Por todo o mundo debatem-se as melhores estratégias para o FAT LOSS, muitas vezes centradas apenas no treino e na nutrição...

Esquecemo-nos de que mais de 60% da energia que gastamos, corresponde a períodos em que não estamos nem a "mexer" nem a comer.

Todas as estratégias, todas as directrizes, todas as novas modas e tendências falham porque olham apenas para 40% do processo...

Ponhamos em perspectiva, levámos 2.000.000 (2 milhões) de anos aprimorando um sistema que ainda hoje nos trama.

A espécie humana sobreviveu pela sua incrível capacidade de adaptação. Nós já passámos MUITA fome!!!! E parar era morrer.

Portanto, durante milhares de anos fizemos travessias enormes de estômago vazio procurando alimento. E assim, conseguimos aperfeiçoar o nosso organismo a ser uma máquina eficiente na gestão de energia (metabolismo). Qual seria a mensagem que o nosso sistema nervoso recebia quando se deparava com privação de alimento e longas travessias?? Poupança de energia, que na prática significa reduzir o metabolismo.

E o que faz o homem do séc XXI para combater a obesidade??
Corta a ração e horas de exercício (cardio/calçadão) com fartura! Que sinal enviamos ao nossos sistemas fantásticos?? 

Porque razão pacientes que colocam banda gástrica, passados 12 meses, voltam a recuperar o peso perdido, se ficam com menos 70% do volume do estômago??!?! Se comem menos, como é possivel voltar a ganhar peso??

Enfim, as bandas gástricas ficam para outro dia...  

Muitas vezes a eficiência e efectividade do treino é sabotada pelos efeitos compensatórios, nomeadamente na ingestão de energia.

Assim, temos mais uma variável em que pensar quando pensarmos em nos exercitar: qual o exercício que dá mais fome? ou melhor, qual o exercício que me leva a comer mais GORDURAS?!?!?

Cardio vs Força??
Intensidades baixas vs altas??

Investigadores australianos quiseram comparar o efeito compensatório no comportamento alimentar (sensação de apetite, "gostar e querer", ingestão de comida e preferência de nutrientes), em dois protocolos de treino intervalados: alta e moderada intensidade

Dez homens com sobrepeso e obesos participaram em 2 programas de 4 semanas cada um, separados por 6 semanas de detraining wash-out.

Moderada Intensidade (MIIT): intervalos de 5min a 20% do trabalho (joules) aos 45%VO2peak, ou seja 9% VO2?!?!?

Alta Intensidade (HIIT): Intervalos de 30seg a 90%VO2peak e 30s de pausa, durante 30-45min

O primeiro dado que salta logo à vista é que o grupo MIIT pedalou mais do dobro e durante mais do dobro do tempo do HIIT (p < .001). Boring!!!

Registou-se uma tendência compensatória no grupo MIIT, comparando com o HIIT, no que respeita ao desejo de comer e consumo de gordura após a intervenção.

No gráfico 1, verificamos que o desejo de comer aumentou no MIIT e reduziu no HIIT, aproximando-se da significância (p = ,07).
No gráfico 2, relativamente ao "gostar e querer", o desejo por alimentos ricos em gordura não doces (HFNS), ricos em gordura e doces (HFSW), baixos em gordura não doces (LFNS), e baixos em gordura e doces (LFSW), para o grupo HIIT manteve-se negativo em todos, aproximando-se da significância relativamente ao MIIT (p = .09)


No gráfico 3, constatamos que, após as 4 semanas de intervenção para cada protocolo, a ingestão de energia (em gramas e kcal) apenas foi menor no HIIT.
O gráfico 4 mostra que o consumo de gordura aumentou 38% após MIIT e reduziu 16% após HIIT (p = .07)!!!!


E como corolário da nossa teoria antropológica bacoca, o gráfico 5 mostra algo realmente impressiontante. Ambos os protocolos melhoraram a sua eficiência lipolítica (metabolização de gorduras), mas apenas o HIIT reduziu a ingestão de gorduras após a intervenção.



Será que o princípio da supercompensação também se aplica ao substrato energético?!??
Ou seja, o substrato energético utilizado durante o exercício irá ser, não apenas reposto, mas reforçado??
Então, os protocolos de treino que queimam principalmente gorduras (baixa e moderada intensidade) terão como resposta ingerir mais gorduras???

Calçadão, para que te quero?
Para distrair, passar o tempo, desfrutar da natureza, para vender gadgets, para dançar, para fazer novos amigos... ok. FAT LOSS?? 0!
  
Este estudo mostra também que o (agora) tão famoso treino intervalado de alta intensidade, tabatas e afins, é muito mais do que usar um timer com buzinas...

Alta intensidade doí, moderada intensidade engorda...
 
Não hibernem... INCINEREM!!!
EVIDENCE vs BULLSHIT



Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2014 Dec;24(6):595-604. doi: 10.1123/ijsnem.2013-0032. Epub 2014 Mar 25.


 

Sem comentários:

Publicar um comentário