sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Nutrição: a moda do "sem"...

E passaram mais de 2 anos desde a última (preciosa) contribuição da nossa Nutricionista de "serviço"....

O responsável por esta dinâmica deveria ir ao banho e dar lugar a outro.

De volta com a sua narrativa incómoda, desta vez colocando o dedo numa ferida aberta por famosos e marcas que visam apenas um objectivo: facturar. 

Por Ana Margarida Ramalho, Nutricionista da Equipa Saúde Pública de Beja, e Consultora FITSalvador:

"A moda  do “sem glúten”, “sem lactose” e a saga das refeições “sem hidratos de carbono” continua...

O tema que vos trago, depois de alguns meses de pausa, é um tema que tem assolado os meus dias não só profissionais como também pessoais =). Começa a ser doentio e excessivo o que se fala e escreve sobre o glúten, a lactose, o leite, os hidratos de carbono...
Alimentos e nutrientes que também “fazem mal” continuam na ordem do dia. Perece que estes nutrientes e alimentos se tornaram vilões na nossa alimentação. O que procuramos? O nutriente maravilhoso ao nosso metabolismo e o superalimento?
Não é de agora esta obsessão por determinado alimento ou nutriente. Existem muitos estudos, ainda da altura em que pouco ou nada se sabia sobre determinadas doenças, e sendo isso mesmo, estudo/experiências, quando publicados ninguém sabia o alarido que iriam causar e ainda causam.

Num artigo da revista do Expresso (podem ler aqui) que li fala, e muito bem, deste tema. Começa por referir que em tempos um médico experimentou dar bananas a crianças com doença celíaca e como houve melhoras na sua condição de saúde seriam as bananas a forma de tratar estas pessoas (na altura ainda não se sabia que a doença celíaca era causada pela total intolerância à proteína do glúten). Com isto, a dieta da banana começou a tomar força... Dum hospital veio a descoberta de que também ajudava na perda de peso. Era um verdadeiro milagre.... Enfim, tal como nos dias de hoje, alguém da ciência começou por dizer que o glúten faz mal, engorda, incha, etc. Que a lactose também tem os mesmos efeitos e que o leite não faz falta nenhuma e ainda que os hidratos de carbono “fazem mal” numa dieta. Com isto, os media fazem o favor de propagar estas noticias assim como os famosos também são um veiculo de má formação e informação.

Vamos por partes. O que é a doença celíaca? É uma doença autoimune que ocorre em indivíduos com predisposição genética causada pela permanente sensibilidade ao glúten. Nestas pessoas, a ingestão de glúten, mesmo que em pequenas quantidades, leva o organismo a desenvolver uma reação contra o intestino, o que resulta em lesões na mucosa e que vai comprometer a absorção dos nutrientes. Este doença pode aparecer em qualquer fase da vida, mas é mais frequente nos 2º ou 3º semestres da vida aquando da introdução das farinhas na alimentação. Por sua vez, o glúten é uma proteína existente nos grãos de trigo, cevada e centeio que quando retirados na sua totalidade da alimentação promove uma melhoria nos sintomas e o intestino tem a capacidade de regenerar por completo a lesão melhorando, assim, a absorção de nutrientes.

A intolerância à lactose é a incapacidade de digerir a lactose existente, essencialmente, nos lacticínios, ou seja, quem tem intolerância à lactose tem falta da enzima, a lactase, responsável pela digestão deste açúcar.

Sou de opinião que este tema está na moda... Uma moda promovida pela industria! Em relação aos cereais ainda não descobri quem poderá ter interesse nisto, mas em relação à lactose é, nitidamente, promovida pelos produtores de soja e “leite” de soja. 

Até há pouco tempo o termo glúten era apenas familiar aos doentes celíacos. Nos dias de hoje o glúten está na ordem do dia pelos seus eventuais efeitos nocivos para a saúde mesmo daqueles que o conseguem digerir.
Como referi atrás, o glúten existe nos cereais trigo, cevada e centeio. Na aveia não existe. No entanto, poderá ser processado em fábricas que processam os outros cereais e haver uma contaminação da aveia por resíduos de glúten.
O arroz, a batata, o milho, a fécula de batata, trigo sarraceno entre outros não têm glúten. No entanto, a industria já pegou nesta moda e já temos pacotes de arroz com o selo de “isento de glúten”. Estes produtos são mais caros só por terem esta alegação nutricional e fixem bem quais são os produtos que contêm naturalmente glúten.
Os alimentos destinados a doentes celíacos são aprovados e apresentam o selo da Associação Portuguesa de celíacos. Hoje em dia, existem muitos alimentos, o caso deste pacote de arroz que voz falei, com um símbolo de “isento de glúten” que não o da Associação.

Clinicamente, para além dos doentes celíacos, poderá ser de interesse retirar o glúten em doenças crónica autoimunes, como a diabetes tipo 1 ou a artrite reumatoide, entre outras. Já nas restantes pessoas, a exclusão dos alimentos com glúten é uma liberdade que assiste a cada um, mas que não possui qualquer tipo de benefício, principalmente na perspectiva da perda de peso, tal como se transmite e pensa. Estas dietas são promovidas por famosos que as fazem e nós vamos atrás delas.

Fazendo aqui um parenteses, tal como os alimentos rotulados com “0% gordura” possuem quantidades exageradas de açúcar também o fato de um alimento ser “isento de glúten” não o torna necessariamente mais saudável. Isto porque muitas das vezes são elaborados a partir de cereais refinados e a falta de fibra associada a uma dieta sem glúten acarreta inevitavelmente um prejuízo para a nossa flora intestinal e sistema imunitário.

Quanto à lactose estamos iguais... Primeiro que tudo, apenas o leite tem lactose! Os iogurtes e os queijos não têm lactose! Depois de processados a sua lactose transforma-se em ácido láctico, por fermentação, mantendo-se o seu valor nutricional. Dai serem alimentos tolerados por estes doentes. Com isto, alerto para o fato de não necessitarem comprar alimentos que, naturalmente, não têm lactose mas que apresentam esta alegação.
O leite é um alimento completo para as crianças e quase completo para os adultos!

Quanto aos hidratos de carbono na nossa alimentação já não sei o que dizer mais! =) =)
Os hidratos de carbono, tal como outro nutriente são essenciais na nossa alimentação e para o correto funcionamento do nosso organismo. Os HC que se promovem para a nossa alimentação são os de absorção lenta (ricos em amido). Ajudam em vários aspectos: controlam os níveis de glicemia no sangue, para diabéticos ou não; dão saciedade, logo conseguimos controlar as quantidades ingeridas; ajudam no gasto de energia. Pão, arroz, massa são alimentos ricos em HC de absorção lenta... Poderão ser escolhidos os integrais também pelo seu teor de fibra superior. As bolachas, barritas, podem ser introduzidas na alimentação mas não com a frequência com que se consomem.

Não sigam as modas. Dietas da moda não resultam... Muitas pessoas já sabem disso por experiência própria... Mudem os vossos hábitos alimentares com calma e à vossa medida.

Se acharem que são intolerantes por algum sintoma que apresentem a algum constituinte dos alimentos ou a algum alimento façam análises e não tomem como assumida a intolerância. Estas análises devem ser feitas nos serviços de saúde, e não em laboratórios que apenas querem vender... Se houver algum sintoma sigam este caminho.

Fará mesmo sentido esta recente febre ao glúten e à lactose???  Será mesmo necessário cortar nestes alimentos?? Faz, mas para quem realmente precisa..."



Podem acompanhar a Ana na rubrica intitulada "Vida Saudável" que passa na Rádio Pax todas as quartas-feiras pelas 10h15, ou contactá-la directamente através do e-mail nutrition@FITSalvador.com

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Bootcamp Solidário - MILITARY TRAINING SYSTEM 26/11

(clique na foto caso não consiga visualizar o Album - Bootcamp Solidário - Military Training)

Bootcamp Solidário - MILITARY TRAINING SYSTEM

SEJA SOLIDÁRIO!!!

Nós oferecemos as minis e a Liga os tremoços!!!

Vocês tragam coragem... e um donativo!