domingo, 4 de março de 2012

Tudo ou nada: corrida para o verão! [Nutrição]

Chegou o Sol... e com ele as pressas para a obtenção de resultados (pelo menos) até a altura de vestir o bikini ou o short da moda...
Se para a fisiologia do exercício este processo quer-se metódico e consistente, na área da Nutrição as pressas também não favorecem o resultado final... muitas vezes dão em vagares... a nossa Nutricionista de "serviço" dá uma achega...

Por Ana Margarida Ramalho, Nutricionista equipa de Saúde Pública de Beja:

"Quando vão de férias? Julho, Agosto? Pois bem, é nesta altura, com a vinda das novas colecções de roupa e corpos mais a descobertos que se faz o click para uma perda de peso em que vale tudo ou quase tudo!! Até colocar a saúde em risco, vale! Provavelmente este artigo virá um pouco cedo (estou a ser irónica).
Digo isto, porque só a partir de Março se começa a pensar que “tenho de perder peso até ao verão”; em Abril compramos a roupa nova de treino e continuamos a pensar “tenho de perder peso até ao verão”. Como o clima não anda certo e o S. Pedro anda um pouco desorientado com o tempo, em Maio chove! Continuamos a pensar “tenho de perder peso até ao verão, mas agora com a chuva não dá para fazer nada” (para quem faz actividade física debaixo de tecto, frio e chuva, não sei se já repararam, também são um obstáculo no atingir objectivos).
E eis que chega Junho… um ou dois meses para as tão merecidas e desejosas férias de verão. Objectivo principal? Perder peso!!!
Pois é, deixem-me que vos diga, que este método de atingir objectivos rápidos, pouco consistentes e milagrosos não tem fundamento absolutamente algum… No momento de agir passam-nos pala cabeça duas opções: começar actividade física e controlar alimentação. Pensamentos correctos, mas fora de prazo!! Deixem-me que vos diga que estes pensamentos devem passar-vos pela cabeça em Setembro
Começa o sprint na nossa variante logo com grandes caminhadas e/ou corridas sem que se pense que a preparação física e respiratória é nula ou quase nula. Correntemente “falando” vamos com muita sede ao pote! Ora, começando com quase 10 km de caminhada – distância (ida e volta) entre a ovibeja e a rotunda para Lisboa -, no dia a seguir (quando pensámos que iríamos todos os dias) estamos de rastos… doem os músculos e estamos cansadas (os) e logo aqui fazemos uma pausa no nosso percurso. Ir para ginásios também é intenção… estes estabelecimentos de actividade física enchem por completo nesta altura do ano. Ou aulas em grupo também esgotam a lotação (querem uma aposta quem a partir de Março vamos ser muitas mais?). Nestas duas situações os professores são “massacrados” para realizarem treinos intensos porque há quem queira ir para a praia na linha.
No que respeita à alimentação, os erros não têm conta!! Quem opta apenas pelo controlo alimentar, corta nos hidratos de carbono de absorção lenta, torna a alimentação monótona e aborrecida, comendo apenas cozidos e grelhados, carne de frango ou peru e peixe. A parte positiva no meio disto tudo, sim, há sempre partes positivas no meio de tamanhas asneiras, é que o consumo da água aumenta, consomem-se mais saladas, mais peixe e, lá está, anda-se a pé (aqui faço outra recomendação: adquiram e implementem estes hábitos no verão e prolonguem-nos no inverno).
A chegada da primavera não é notada apenas com a vinda das andorinhas… as farmácias e ervanárias também nos lembram dessa estação, e é também por este motivo que nos lembramos que temos de perder peso até ao verão! Nesta altura, as montras destes estabelecimentos exibem enormes reclames, prometendo milagres a quem deseja perder peso. Ou talvez porque este seja simplesmente um "negócio da China". Já falei sobre estes efeitos no artigo anterior, mas nunca é de mais lembrar que a maior parte destes produtos é de venda livre, o que significa que qualquer pessoa os pode comprar sem receita médica e também que a maior parte é ineficaz. E muitos deles podem interagir com medicamentos convencionais.
Quem opta por conjugar controlo alimentar e tomada de medicação, lembre-se que a toma prolongada de medicamentos pode trazer problemas de saúde graves e o controlo alimentar sem aconselhamento não é duradouro, é monótono e muito restrito. Isto porque a educação alimentar é o melhor tratamento para o controlo de peso. Alterar hábitos alimentares e saber mantê-los é a melhor solução. Obviamente que conjugando com a actividade física.


O facto de estas pressas não resultarem deve-se ao curto período de tempo em que não há mudança nem implementação de hábitos alimentares, criação de hábitos de actividade física (não se cria a necessidade de…) e ao nível do metabolismo, o organismo assume que, durante um ou dois meses, esteve em restrição. Quando, por aborrecimento, frustração por não sermos recompensados pelo esforço que estamos a fazer, não obtemos resultados e voltamos aos hábitos antigos (diga-se de passagem nada antigos, até muito recentes) o organismo absorve muito mais uma vez que esteve sedento de alimento. E aqui, há recuperação muito rápida do peso perdido e a possibilidade de ganharmos peso com juros.    


Não esquecem que aumentamos de peso quando não gastamos aquilo que ingerimos. Desta forma não chega perder peso a qualquer preço!! Há que mudar hábitos, aprendendo a comer e a cozinhar de outra forma. É nosso dever, profissionais da área, motivar-vos, mas também há que haver uma abertura da vossa parte para acreditarem em nós. Libertarem-se de mitos e ideias erradas quanto à alimentação. Acreditem em vocês para atingir objectivos.


Porque não é só a saúde física que se ganha. Tão ou mais importante também se ganha saúde mental!! No primeiro artigo disse-vos, paciência, persistência e motivação são os únicos “medicamentos” aconselhados na mudança de hábitos. E já agora, não vos querendo desanimar, estas mudanças fazem-se e implementam-se, em média, entre cinco a dez anos. Por isso, entre um a dois meses, esqueçam!!!
Já dizia o Doutor Fernando Pádua que “a saúde é demasiado importante para estar só nas mãos dos médicos”. Eu aqui, alteraria para que “a saúde é demasiado importante para estar só nas mãos dos técnicos”." 
Estas e outras dicas podem ser acompanhadas na rubrica intitulada "Vida Saudável" que passa na Rádio Pax todas as quartas-feiras pelas 10h15

Sem comentários:

Publicar um comentário