sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Diabetes e o Exercício

No passado dia 14, a convite da LIFESCAN- Johnson&Johnson, Lda, pude dar o meu contributo formativo aos utentes da equipa do Núcleo de Diabetes do Hospital de Beja, liderado pela Dr.ª Isabel Ramoa.

A sessão de esclarecimento teve como principal objectivo ressalvar a importância do exercício físico na prevenção e tratamento da Diabetes, destacando as recomendações, precauções, e guidelines da prescrição de exercício para essa população especial.

Focou-se principalmente a importância do exercício de força (musculação) como complemento do, tradicionalmente, recomendado exercício cardiovascular (corrida, bicicleta, etc.). Não só pelas evidências científicas na melhoria da resistência à insulina, como também da melhoria e manutenção da capacidade funcional do sujeito, obesidade, etc...

Ficou evidenciado, através da medição dos índices de glicémia antes e pós-exercício, os benefícios do Exercício visto que a grande maioria dos participantes reduziu significativamente a concentração de glicémia no sangue.

Algures durante a minha intervenção arrisquei a pergunta: Quem (já) pratica exercício físico?
Na verdade houve um silêncio um pouco constrangedor... 
O que me fez pensar: "se nem esta malta tem hábito de praticar exercício, que certamente estará sensibilizada para a IMPORTÂNCIA do exercício físico para lidar com a sua doença e que ficou comprovada na própria sessão através dos índices de glicémia, como chegar àqueles que (ainda) são saudáveis?!?!"

Caminhar não é Exercício!! Até entendo o porquê da caminhada ser das actividades mais recomendadas: não é preciso grande técnica para caminhar, é barato, o risco de quedas ou lesões é mínimo, enfim, (quase) todos o podem fazer...
Se estamos a iniciar um programa de exercício ok! podemos começar por aí, mas é necessário ir muito mais além, independentemente das eventuais limitações decorrentes da diabetes: retinopatias, neuropatias, hipoglicémias, etc. A prescrição de exercício deve contemplar todas essas variáveis, e ainda assim continuar a ser Exercício Físico.
Com isto não quero dizer que não trará benefícios, mas que fique esclarecido que não é Exercício Físico. 


O exercício deve ser visto como um estímulo que provoque uma adaptação ao organismo, um desafio às nossas capacidades e limitações, uma saída constante da nossa "zona de conforto". A caminhada numa fase inicial, para indivíduos extremamente sedentários, até pode significar esse estímulo, mas rapidamente o organismo se acomoda àquele estímulo sendo necessário mudar: ou no tipo, ou volume (significa caminhar mais... não please!), ou intensidade ou na metodologia.


Pois se para a população diabética caminhar não é exercício, será para os que (ainda) são saudáveis??


Estamos todos numa corrida contra este tipo doenças! Se é certo que a Diabetes não é uma patologia recente, o nosso estilo de vida secularizado e globalizado tem potenciado a sua proliferação...

Sem comentários:

Publicar um comentário