segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

FIT Nutrition: Dietas Detox - Purificação do organismo, da balança… e da carteira?

A nossa Nutricionista de serviço deixa uma pequena rubrica sobre uma das modas na área da Nutrição: DETOX.


A evidência científica será sempre um problema para os arautos paladinos das soluções fáceis e ociosas...


"E para contrariar a alimentação realizada durante a época do natal e ano novo há uma corrida enorme às dietas da moda. Uma das mais comuns é a “dieta detox” que consiste numa intervenção a curto-prazo, praticada com o objetivo de eliminar toxinas do corpo, promover a saúde e auxiliar na perda de peso. Nestas dietas as toxinas são definidas como os poluentes, químicos sintéticos, metais pesados, comida processada e outros produtos prejudiciais para a saúde.


Com a publicidade em volta destes produtos a aumentar, torna-se necessário percebemos se efetivamente estas dietas são benéficas para a eliminação de “produtos tóxicos” do nosso corpo e para a perda de peso.

Dietas Detox & Eliminação das toxinas do organismo / “Purificação do organismo”
Existem alguns compostos químicos sintéticos que são tóxicos e se acumulam no nosso organismo, alguns deles são lipossolúveis e por isso acumulam-se especificamente no tecido adiposo. Isto impede que estas substâncias tóxicas andem livremente pela corrente sanguínea. Em doses elevadas estes compostos podem ser tóxicos. Entre estes temos os POPs (Poluentes Orgânicos Persistentes), Ftalatos, BPA (bisfenol A) e outros bisfenóis e os Metais (mercúrio, chumbo, cádmio, arsénio e alumínio). Podemos encontrá-los por exemplo em pesticidas, tintas, cosméticos, embalagens de plástico de alimentos e bebidas, garrafas de água, brinquedos de plástico, cápsulas de suplementos alimentares, garrafas de água, entre outros. Alguns destes componentes foram já banidos ou restringidos na União Europeia, mas nem todos.

Uma exposição a estes compostos está associada a doença cardiovascular, defeitos neurológicos, alterações ao nível da reprodução, cancro, disrupção endócrina e doenças metabólicas como a diabetes, obesidade, etc., e pode comprometer o desenvolvimento infantil.

O processo de “destoxificação” é um processo fisiológico do nosso corpo. Este ocorre, portanto, naturalmente e nele intervêm vários órgãos, nomeadamente o fígado, os rins, o sistema gastrointestinal, a pele e os pulmões. E existem vários processos/vias de destoxificação e estes dependem do composto que se pretende eliminar (ex.: chumbo, mercúrio, etc.).

E haverá de facto nutrientes que podem ajudar nesta excreção?
Existem diversas variantes da dieta “detox”, desde o jejum, aos sumos detox, a alterações do comportamento alimentar e recorrem muitas vezes ao uso de laxantes, diuréticos, vitaminas, minerais, e/ou “alimentos que ajudam a limpar o organismo”.
O primeiro problema com estas dietas é que não nos dizem as “toxinas” específicas que têm como objetivo eliminar e os respetivos mecanismos, sendo difícil comprovar as suas alegações. Para além disso muitos poucos estudos foram feitos em humanos, existem alguns resultados positivos, mas a sua maioria foram obtidos através de estudos em ratos e trutas.  Pelo que seria errado extrapolarmos que em humanos teremos exatamente os mesmos resultados.

Os resultados preliminares destes estudos de facto sugerem que alguns nutrientes podem ser úteis, auxiliando no processo de eliminação de produtos tóxicos, como é o caso dos coentros, acido málico (presente nas uvas e vinho), ácido cítrico (presente em frutas cítricas), ácido sucínico (presente em maçãs e mirtilos) e clorela (alga). Contudo, nada conclusivo em humanos que nos leve a crer e basear a nossa alimentação na certeza de que estas substâncias serão de facto eficazes. Afinal de conta não somos nem ratos nem trutas…

Resta-nos esperar por mais resultados em humanos relativamente a estes compostos para perceber se têm de facto efeito, em que quantidades, em que situações e eventuais possíveis contraindicações e/ou efeitos secundários.

Dietas Detox & Perda de Peso
Muitos olham para estas dietas como uma forma de “apagar” uma alimentação mais calórica, rica em gordura e açúcares ou de “limpar as suas consequências”, nomeadamente o aumento de peso.

O que é certo é que esta dieta não vai milagrosamente apagar toda a gordura e açúcares de consumiu nesta época festiva.

Quanto ao peso, as dietas detox parecem de facto ser eficazes na perda peso a curto-prazo devido ao elevado défice calórico em que todas elas se baseiam. Contudo, desconhecem-se os seus efeitos a longo prazo ou na manutenção do peso. Mas esta perda de peso não parece ser ilesa para a saúde!

Em alguns casos estas dietas levam a uma perda rápida de peso que, ao contrário do que muitos pensam, pode ser prejudicial para a saúde. Isto porque juntamente com a perda de peso, também as substâncias tóxicas (como os POPs) que se acumulam no tecido adiposo (“gordura”) podem ir para a corrente sanguínea e em vez que serem excretadas (como seria o ideal!) podem ser distribuídas para outros órgãos mais sensíveis como o cérebro e rins, e aí se acumularem novamente, acarretando um risco ainda maior para a saúde. Esta é uma das razões pelas quais ouve muitas vezes dizer que o ideal é que a perda de peso seja gradual.

Em jeito de conclusão podemos então perceber que…
Estas dietas parecem acarretar um elevado risco para a saúde que se sobrepõe ao eventual benefício de perda de peso a curto prazo que demonstram. Para além disso, a sua utilização para eliminar substâncias tóxicas não parece ser atualmente fundamentada pela literatura científica. Quanto aos nutrientes mencionados anteriormente, aguardamos pacientemente mais estudos de forma a perceber os eventuais benefícios em humanos.

O melhor será, portanto, evitar a exposição a estes compostos tóxicos, dentro do possível. Evitando, por exemplo, garrafas de plástico, tupperwares ou outros recipientes alimentares de plástico. Estes comportamentos ajudam não só o ambiente, mas também a sua saúde. Escolha alimentos nos quais confie a sua origem, com maior controlo na sua produção.

Quanto à perda de peso, procure um nutricionista para o ajudar a perceber qual a melhor estratégia (“dieta”) para si, delineá-la consigo de forma a atingir os seus objetivos e mantê-los.  

Lembre-se que fazer qualquer dieta em que não se conheça os seus efeitos, ou não seja recomendada para si pode custar-lhe saúde. Por isso aconselhe-se sempre junto do seu profissional de saúde."


Nutricionista Joana Jesus, 3715N.